“A Árvore da Vida”: Uma abordagem para trabalhar com crianças, jovens e adultos que passam por adversidades

Como as pessoas podem ser convidadas a falar sobre suas vidas de forma a torná-las mais fortes?

A “Árvore da Vida” é uma abordagem de esperança e inspiração para trabalhar com crianças, jovens e adultos que passam ou passaram por momentos difíceis. Esta metodologia foi desenvolvida através de uma parceria entre Ncazelo Ncube (que estava trabalhando na REPSSI na época) e David Denborough (Dulwich Center Foundation). Ncazelo e David desenvolveram inicialmente essa abordagem para ajudar os colegas que trabalham com crianças afetadas pelo HIV / AIDS no sul da África. Essa abordagem se mostrou tão bem-sucedida e popular que está sendo usada com crianças, jovens e adultos em vários países da África, e também na Austrália, no Brasil, no Canadá, na Rússia, no Nepal, nos EUA e em outros lugares.

Essa metodologia permite que as pessoas falem sobre suas vidas de maneira que as tornam mais fortes. As pessoas desenham sua própria “árvore da vida”, na qual elas falam de suas “raízes” (de onde vêm), suas habilidades, conhecimentos, suas esperanças e sonhos, assim como as pessoas especiais em suas vidas. Os participantes, em seguida, juntam suas árvores em uma “floresta da vida” e, em grupos, discutem algumas das “tempestades” que afetam suas vidas e as maneiras de responder a essas tempestades e proteger-se e uns aos outros.

A Árvore da Vida permite que as pessoas falem sobre suas vidas de maneiras que não são retraumatizantes, mas que fortalecem suas relações com sua própria história, cultura e pessoas importantes em suas vidas.

Ela tem sido usada com crianças, jovens e adultos em muitos contextos diferentes, incluindo grupos de refugiados e imigrantes; pessoas cuja comunidade sofreu com um desastre natural (inundações); grupos de jovens que foram expulsos da escola; mulheres que foram vítimas de violência doméstica, negligência, abuso físico e abuso emocional dentro de suas famílias; adultos que enfrentam doenças mentais e muitos outros contextos.

Também desenvolvemos recentemente uma versão Aborígene e Insular do Estreito de Torres da Árvore da Vida, e isso está sendo usado na Austrália Central, na Terra de Arnhem e no norte de Queensland.

Para mais informações clique no link abaixo:

Denborough, D. (2008). Collective narrative practice: Responding to individuals, groups, and communities who have experienced trauma. Adelaide: Dulwich Centre Publications.

× Como posso te ajudar?