Coordenado por Maggie Carey e Shona Russell

 Este artigo foi publicado pela primeira vez no Jornal Internacional de Terapia Narrativa e Trabalho Comunitário, 2002 No.2, e pode ser encontrado no livro Terapia narrativa: respondendo às suas perguntas”, compilado por Shona Russell e Maggie Carey (Adelaide: Dulwich Centre Publications, 2004).

As seguintes perguntas e respostas sobre “externalização” foram criadas em resposta a solicitações regulares de profissionais. Tentamos aqui responder a algumas das perguntas mais frequentes em contextos de treinamento. Nós gostamos do processo colaborativo de apresentar essas perguntas e respostas. Uma grande variedade de pessoas esteve envolvida e nós realmente apreciamos isso. Esperamos que este documento seja útil para aqueles que se envolverem com ideias narrativas. Estamos ansiosos para receber o seu retorno!

1) O que é externalização?

‘Externalização’ é um conceito que foi introduzido pela primeira vez no campo da terapia familiar no início dos anos 80. Inicialmente desenvolvido a partir do trabalho com crianças, a externalização tem sido, de alguma forma, sempre associada ao bom humor e à ludicidade (bem como à prática ponderada e cuidadosa). Há muitas maneiras de entender a externalização, mas talvez seja melhor resumido na frase “a pessoa não é o problema, o problema é o problema”.

No momento em que as pessoas se voltam para nós como terapeutas em busca de assistência, elas muitas vezes chegam a um ponto em que acreditam que há algo errado com elas, que elas, ou algo sobre elas, é problemático. O problema tornou-se “internalizado”. É muito comum que os problemas sejam entendidos como “internos” às pessoas, como se representassem algo sobre a natureza ou “eu interior” da pessoa em questão. Práticas externalizantes são uma alternativa às práticas de internalização. A externalização localiza problemas não dentro dos indivíduos, mas como produto da cultura e da história. Entende-se que os problemas foram socialmente construídos e criados ao longo do tempo. O objetivo de externalizar práticas é, portanto, permitir que as pessoas percebam que elas e o problema não são a mesma coisa. Como terapeutas, há muitas maneiras como isso é abordado. Uma maneira é fazer perguntas em que mudamos os adjetivos que as pessoas usam para descrever a si mesmos (‘eu sou uma pessoa deprimida’) em substantivos (‘Por quanto tempo essa depressão está influenciando você?’ Ou ‘O que a depressão diz? O que você diz sobre você mesmo?’). Outra prática de externalização envolve fazer perguntas de forma a convidar as pessoas a personificar problemas. Por exemplo, quando se trabalha com uma criança pequena que quer parar de se meter em tantos problemas, uma questão de externalização pode ser: ‘como é que o Sr. Malícia consegue enganá-lo?’ Ou ‘quando é que o Sr. Travessura irá visitá-lo?’. 2 Por meio desses tipos de perguntas, cria-se um espaço entre a pessoa e o problema, e isso permite que a pessoa comece a revisar sua relação com o problema. Não são apenas problemas que são externalizados.

Qualidades pessoais, tais como “forças”, “confiança” e “auto-estima”, que são comumente internalizadas (vistas como se fossem inerentes ou internas aos indivíduos), também são externalizadas nas conversas da terapia narrativa. Nós descreveremos mais sobre isso mais tarde. Também é importante notar que a externalização envolve muito mais do que “técnicas linguísticas”. A externalização está ligada a um modo particular de compreensão, uma tradição particular de pensamento, chamada pós-estruturalismo. Esse modo de entender coloca uma ênfase considerável na linguagem, nas questões de poder e nos modos como o significado e as identidades são construídos. (Para mais informações sobre isso, veja Thomas, “Poststructuralism and therapy – what is it about, International Journal of Narrative Therapy and Community Work, 2002 no. 2).

2) O que são conversas de externalização?

Conversas externalizantes focalizam problemas que podem ter sido internalizados e externalizados (como mostramos nos exemplos em relação à “depressão” e “Sr. Travessura”). Mas isso é apenas o começo. Uma vez que os problemas são externalizados (ou seja, vistos como se eles simplesmente não existissem como um aspecto inerente de uma pessoa), eles podem ser colocados em linhas históricas. Por exemplo, é possível para nós, terapeutas, fazer perguntas como “por quanto tempo a depressão tem influenciado a vida de alguém”, quando a depressão entrou na vida da pessoa, se houveram fatores que contribuíram para sua entrada, quais os efeitos reais da depressão (sobre a pessoa, seus relacionamentos e outros), quando esses efeitos são mais fortes e fracos, o que sustenta a depressão e o que age como remédio em certas situações. Esse tipo de pergunta, e muitas outras, começam a colocar a existência do problema em uma linha histórica.

Colocar problemas, como a depressão e o “Sr. Travessura”, nos enredos pode começar a esclarecer como eles têm uma influência tão grande na vida de alguém. Também pode começar a fornecer às pessoas muitas informações e entender melhor como elas podem recuperar suas vidas da influência de problemas. Um dos aspectos mais significativos das conversas externalizantes é que, dentro delas, considerações mais amplas também podem ser levadas em consideração. Quando se entende que as relações das pessoas com os problemas são moldadas pela história e cultura, é possível explorar como gênero, raça, cultura, sexualidade, classe e outras relações de poder influenciaram na construção do problema. Ao considerar as políticas envolvidas na modelagem da identidade, torna-se possível viabilizar novas compreensões da vida que são menos influenciadas pelo movimento de se culpar, e mais pela consciência de como nossas vidas são moldadas por histórias culturais mais amplas. Desta forma, vemos conversas externalizantes como uma pequena ação política “p”. Eles colocam de volta ao âmbito da cultura e da história o que foi criado dentro desses contextos. Isso abre um leque de possibilidades de ação que não estão disponíveis quando os problemas estão localizados dentro dos indivíduos.

3) Como saber o que deve ser externalizado?

O processo de externalização acontece em colaboração com quem nos consulta. Entramos na terapia acreditando que os problemas com os quais as pessoas nos consultam não estão localizados dentro deles, mas foram moldados pelas histórias mais amplas da cultura particular em que vivem. Isso molda as perguntas que fazemos e as conversas que compartilhamos.

Quando alguém se descreve de formas muito negativas (por exemplo, “sou uma pessoa sem valor”), essas são oportunidades de externalização. Vemos isso como oportunidades de fazer algumas perguntas que levarão a conversas de externalização em torno dessas descrições de identidade. Da mesma forma, quando alguém está trabalhando com as histórias alternativas da vida das pessoas, se alguém menciona um traço de caráter particular como se fosse inerente a elas (“É a minha coragem que me faz passar”), esta é uma oportunidade para uma conversa externalizante para uma descrição mais rica desse traço. É possível que externalizemos essa característica, aprendamos sobre a história e como ela está vinculada a certas habilidades e conhecimentos de solução de problemas que podem ser úteis no momento. Em nosso trabalho, descobrimos que é muito importante que o que é externalizado seja nomeado de uma maneira que se adapte bem à pessoa em questão. Geralmente, as metáforas que se exteriorizam (por exemplo, culpa, brigas, preocupação, medo, ciúme) são aquelas que são articuladas pela pessoa que consulta o terapeuta.

Às vezes, o processo de estabelecer o que externalizar leva um pouco de tempo. Por exemplo, quando as pessoas começam dizendo que o problema é “um transtorno de ansiedade”, não é provável que essa seja uma descrição que a pessoa tenha feito e, portanto, não é provável que seja a descrição mais adequada. Depois de alguma discussão, a pessoa pode apresentar sua própria descrição, que pode ser “o medo do que vem” ou “os tremores” ou “oscilações”. Seja o que for, é importante que se acompanhe de perto com a experiência da pessoa em questão.

Isso ocorre porque, quando um nome é encontrado para o problema que está próximo da experiência da pessoa, isso significa que as habilidades e ideias da pessoa em questão ficam mais disponíveis. Por exemplo, é muito difícil para uma criança pensar que tem algo a oferecer para lidar com todos os problemas que parecem estar ao seu redor – mas lidar com o Sr. Travessura é outra questão! Da mesma forma, ter idéias e maneiras de lidar com “o medo que vem” pode ser mais provável do que lidar com “um transtorno de ansiedade” [pode-se pensar que lidar com transtornos de ansiedade é de domínio exclusivo de profissionais]. Quando a definição externalizada do problema se encaixa muito bem para a pessoa em questão, isso permite que as próprias estratégias de resolução de problemas, habilidades e ideias da pessoa (que foram geradas ao longo de suas vidas) se tornem mais relevantes para lidar com sua situação atual. Em nossa experiência, o que é externalizado pode mudar com o tempo. As relações das pessoas com os problemas mudam durante o tempo em que elas frequentam a terapia e, assim, à medida que as experiências da pessoa mudam, o mesmo acontece com as externalizações. Conversas externalizantes podem ser flexíveis e criativas! Eles também estão em andamento. Nós não usamos o idioma de externalização uma semana e depois usamos a linguagem de internalização na próxima. Mantemos conversas externalizantes ao longo do processo terapêutico. Também pode ser relevante mencionar que não precisa haver apenas uma definição externa do problema. De fato, quando se trabalha com mais de uma pessoa, é bem provável que haja mais de uma definição. Ao conversar com uma família, pode haver cinco definições do problema e isso é ótimo! Mesmo que os indivíduos tenham diferentes definições do problema, geralmente eles podem concordar em se unir para resolver um problema externo específico de cada vez.

4) Que tipo de coisas são externalizadas?

Bem… para nós, externalizar não é uma técnica que escolhemos usar em determinados momentos e em outros não, então não é realmente uma questão de escolher o que pode e o que não pode ser exteriorizado. Toda questão concebível que é trazida para as salas de terapia pode envolver-se em conversas externalizantes. Como o cuidado é tomado para assegurar que as externalizações se encaixem na experiência de indivíduos particulares, a gama de externalizações pode ser tão variada quanto as experiências, descrições e imaginações daqueles que consultam os terapeutas.

Conversas externalizantes também acontecem fora da sala de terapia. Grupos, locais de trabalho e até comunidades se envolveram em externalizar conversas por vários motivos. Um dos exemplos mais conhecidos de externalização da comunidade ocorreu durante os projetos de educação no Malaui, no sudeste da África. Lá, a externalização tem sido usada como resposta à crise do HIV / AIDS. Problemas como Estigma e Silêncio em torno do HIV / AIDS, que contribuíram para a divisão dentro da comunidade, foram externalizados e a própria AIDS foi personificada (passou a ser chamado de Sr. / Sra. AIDS). Permitir que as comunidades tenham conversas com personagens que representam o papel do Senhor/ Senhora AIDS, no qual as estratégias, esperanças e sonhos da AIDS são articulados e expostos, contribuiu para que as comunidades se unissem em resposta. A identificação e personificação de uma contra-parcela externalizada, a Sra. Cuidado, também galvanizou a ação coletiva.

5) Quais são os efeitos das conversas externalizantes?

A resposta mais comum daqueles com quem trabalhamos tem sido uma sensação de alívio – alívio de que eles não são o problema e que existem maneiras de entrar em contato com outras histórias sobre eles mesmos, outros aspectos de suas vidas que os efeitos do problema tem obscurecido a visão.

Conversas externalizantes “descentralizam” o problema na vida das pessoas. Isso significa que o espaço é criado entre as pessoas e o que quer que esteja incomodando. Onde uma pessoa se entende como “sem valor”, agora eles entendem que “a inutilidade” veio a dominar suas vidas, e que há uma história para isso e a chance de recuperar sua vida de seus efeitos. Quando um problema é externalizado, também é possível identificar as práticas específicas que sustentam esse problema (bem como práticas específicas que podem diminuir sua influência). Por exemplo, se “a inutilidade” tiver afetado significativamente a vida de uma pessoa, há uma boa chance de que determinadas práticas de julgamento, crítica e talvez abuso tornem isso possível. Conversas externalizadoras sobre essas práticas particulares podem levar a um maior entendimento sobre sua operação. Também podemos colaborativamente desenvolver opções aumentadas para evitar seus efeitos negativos.

Uma vez que o problema e as práticas que o suportam foram externalizados, torna-se possível pedir à pessoa que tome uma posição em relação ao problema. Esta não é uma questão simples de ser “para” ou “contra” o problema, pois há sempre graduações e complexidades da experiência. Por exemplo, em uma conversa de externalização sobre “a inutilidade”, a pessoa pode explicar que deseja acabar com a “inutilidade”, mas deseja manter a capacidade de “refletir sobre como suas ações podem afetar os outros”. Convidar as pessoas a tomar uma posição em relação ao problema cria mais espaço para as pessoas começarem a recuperar suas vidas dos efeitos do problema, mas precisa levar em conta as complexidades da experiência. À medida que as pessoas se afastam e se separam do problema e, em seguida, consideram sua história e seus efeitos negativos, podem se encontrar em um território diferente daquele ao qual se acostumaram.

Este território diferente é frequentemente um lugar livre de práticas como auto-censura e julgamento. Como o problema é descentralizado, o que se torna centrado na conversa são os conhecimentos de vida e habilidades de vida das pessoas que são relevantes para abordar o problema. Estes se tornam o foco da exploração. Além disso, uma vez que o problema é entendido como separado da identidade da pessoa em questão, torna-se mais possível identificar a família e os amigos que podem formar uma equipe para apoiar e sustentar seus esforços na redução da influência do problema. Com a vergonha reduzida e os problemas não mais internalizados, a ação coletiva se torna mais possível. Há muitos efeitos que as conversas externalizantes têm sobre nossas experiências como terapeutas também. Vamos falar sobre alguns deles no final deste documento!

6) Como a externalização se encaixa com outras práticas de Terapia Narrativa?

Basicamente, conversas externalizantes são a porta de entrada para as histórias preferidas e todas as habilidades, ideias e conhecimentos que as pessoas têm. Quando os problemas são externalizados, quando a pessoa não acredita mais que é o problema, isso abre a porta para explorar seus conhecimentos, habilidades e formas de lidar com os efeitos do problema.

Durante as conversas de externalização, como terapeutas, estamos à procura do que chamamos de “resultados únicos”. São momentos em que a influência do problema não tem sido tão forte. Quando percebemos uma delas, esta é uma oportunidade para começar a explorar o que tornou isso possível. Apesar de não entrarmos em detalhes sobre isso aqui, há várias formas de tentarmos colocar esses “resultados únicos” em enredos alternativos. Tome, por exemplo, a pessoa que entrou na sala de terapia acreditando que ela não tinha valor. Vamos chamá-la de Judy. Depois de externalizar “a inutilidade” e explorar sua história e influência, podemos descobrir que há certos momentos em que a inutilidade é menos influente na vida de Judy. Esses momentos (resultados únicos) podem estar associados a um determinado momento, local ou amigo. Ou esses resultados exclusivos podem estar associados a certas coisas que Judy faz neste momento, certos pensamentos que ela tem, atividade física em que está envolvida, etc. Com o tempo, esses resultados únicos podem ser colocados em uma linha de história alternativa. Para o propósito deste exemplo, digamos que Judy tenha decidido nomear esta história alternativa da “competência” da sua vida.

Através de conversas externalizantes, nós nos envolveríamos em muitas explorações sobre essa “competência”. Exploraríamos sua história e faríamos perguntas sobre todos esses eventos e pessoas que contribuíram para essa “competência”. Conversas externalizantes não se concentram apenas em problemas. Como terapeutas narrativos, também usamos conversas externalizantes em relação a qualidades positivas internalizadas (como competência). Porque entendemos que ‘competência’ também é um produto da história e da cultura, é possível fazer perguntas sobre como esse ‘senso de competência’ foi criado na vida de Judy, quem mais ajudou a criá-lo, quem são as pessoas que ficariam menos surpresas ao ouvir sobre isso, o que o sustenta, o que torna possível, o que isso significa para ela, e quais habilidades específicas de resolução de problemas podem estar ligadas. Esse processo pode tornar essas qualidades (como competência) mais significativas e relevantes para as pessoas, ao abordar os efeitos dos problemas em suas vidas.

Neste ponto em nossas conversas com Judy, a externalização terá nos proporcionado a oportunidade de nos engajar agora com outras práticas narrativas. Uma vez que o problema é exteriorizado e começamos a gerar, através de resultados únicos, uma história alternativa, então outras práticas narrativas, como lembrar conversas, processos de testemunhas externas, o uso de cartas terapêuticas, documentos, rituais e celebrações, todos se tornam mais relevante. Todas essas outras práticas narrativas são usadas para gerar “descrições ricas” das histórias alternativas da vida das pessoas. É através da geração de descrições ricas dessas histórias alternativas da vida das pessoas que, acreditamos, leva as pessoas a fazer mudanças significativas a vida deles.

7) Como os praticantes começam a se envolver em conversas externalizantes, existem alguns aspectos específicos com os quais essas pessoas lutam?

Como qualquer nova maneira de trabalhar, é preciso tempo, prática e rigor para se tornar adepto de externalizar as conversas! Inicialmente, alguns praticantes sentem-se incomodados com a maneira diferente de usar a linguagem que a externalização envolve. Pode parecer desajeitado a princípio e até como se o terapeuta estivesse centrado na conversa de maneira desconfortável. Pode levar algum tempo e muita prática (dentro e fora da sala de terapia) para que as diferentes práticas de linguagem se tornem uma parte ininterrupta do trabalho de alguém.

Além disso, também leva tempo para se envolver totalmente com as diferentes maneiras de pensar que as conversas externalizantes representam. A externalização envolve questionar as práticas de internalização que são uma parte tão difundida da vida cotidiana. Externalizar, portanto, representa mais do que simplesmente uma terapia “técnica”. Aqueles que nos consultam estão tendo que lidar rotineiramente com práticas de internalização que buscam localizar o problema dentro delas. Como terapeutas narrativos, vemos como nosso papel fornecer algumas estruturas para entendimentos alternativos e ações alternativas. Quando começamos a nos envolver com conversas externalizantes, as implicações dessas novas formas de pensar podem demorar para nos acostumarmos. Para muitos de nós, isso representou uma maneira muito diferente de ver nossas próprias vidas, assim como a vida daqueles com quem trabalhamos. Em termos práticos, há um aspecto específico das conversas externalizantes com as quais os profissionais às vezes lutam desde cedo. Isso se relaciona com o dilema de quais metáforas privilegiar na externalização de conversas.

Às vezes, quando um problema é externalizado, as famílias que nos consultam podem usar metáforas de “combate” em relação ao problema. Eles podem mencionar como gostariam de “bater”, “lutar contra”, “lutar” ou “vencer” o problema. Como praticantes, isso pode ser um pouco confuso.

Metáforas de combate e competição são muito comuns. São essas metáforas com as quais nós, como terapeutas, devemos nos envolver? Às vezes, o envolvimento em metáforas de combate e competição pode contribuir para o estresse e a tensão e pode significar que sutilezas da experiência podem ser perdidas. Engajar-se em metáforas de conflito e combate também pode replicar formas de estar no mundo com as quais não desejamos estar associados. Em outras circunstâncias, no entanto, onde as pessoas podem literalmente lutar por suas vidas (em relação a distúrbios alimentares que ameaçam a vida, ou as vozes de ódio por exemplo) as pessoas podem acreditar que as metáforas de combate são as descrições mais precisas eles estão passando. O que parece importante é que, como terapeutas, não introduzimos metáforas de conflito ou combate, e que estamos cientes da ampla gama de outras metáforas sobre como os problemas podem se tornar menos centralizados na vida das pessoas. Estes incluem metáforas de recuperar a vida dos efeitos do problema, escapar dos efeitos do problema, revisar o relacionamento com o problema, educar o problema, negociar com o problema, organizar uma trégua com o problema, domar o problema, minar o problema. problema. Outras metáforas podem envolver as pessoas que decidem quais convites do problema pretendem adotar e quais estão diminuindo. Existem inúmeras formas não violentas, não adversárias e não competitivas, nas quais as pessoas reduzem a influência de problemas em suas vidas. Muito pouco da literatura sobre terapia narrativa já enfatizou metáforas de combate, ou tentativas de vencer problemas da vida das pessoas. A maior parte do nosso trabalho como terapeutas narrativos envolve o envolvimento com pessoas em torno de uma enorme variedade de metáforas alternativas.

8) E quando alguém está agindo mal com os outros – intimidando, provocando ou usando violência? Você pode usar conversas de externalização em situações como essa?

Esta é uma boa pergunta. Ao trabalhar com pessoas que podem ter usado bullying, provocações, violência ou abuso contra outras pessoas, é tão importante que, como terapeutas, não eximemos as pessoas de responsabilidade por suas ações. Existem maneiras de usar conversas externalizadas que podem tornar muito mais possível que as pessoas assumam a responsabilidade de abordar e prevenir os efeitos do problema. Como terapeutas, devemos cuidar de como vamos fazer isso.

Externalizar não é separar as pessoas de suas ações ou os efeitos reais de suas ações. Um elemento-chave das conversas de externalização envolve explorar em detalhes os efeitos reais do problema externalizado na vida da pessoa e também todos os outros que estão sendo afetados pelo problema. Ao detalhar minuciosamente esses efeitos, as conversas de externalização são usadas para permitir que as pessoas tomem uma posição em relação ao problema externalizado e, em seguida, se envolvam com outras pessoas para lidar com seus efeitos e reduzir sua influência. Ao trabalhar com pessoas que usaram a violência, não é simplesmente uma questão de externalizar “violência” ou “abuso” e pensar que isso incentivará a responsabilidade e reduzirá os efeitos do problema. Um elemento-chave das conversas externas envolve explorar as ideias, crenças e práticas particulares que sustentam um problema.

As práticas particulares de ‘violência’ podem incluir ‘julgamento dos outros’, ‘atos de diminuição’, ‘atos de poder’, ‘ser menos cuidadoso’, ‘atos de controle’, ‘destaque’, ‘pensamento repugnantes’, ‘ atos de crueldade “,” noções de superioridade “e muitos outros. É importante que as conversas articulem cuidadosamente os efeitos reais dessas práticas e modos de pensar. Ao fazê-lo, isso pode permitir que a pessoa se torne mais consciente de suas origens e consequências em sua vida. Quando os efeitos reais dessas idéias e práticas na vida e relacionamentos dessa pessoa são traçados, quando a história dessas idéias e práticas em sua vida é articulada, e quando são feitas ligações sobre como essas práticas podem ser apoiadas e sustentadas por construções mais amplas de gênero, poder etc, pode tornar-se mais possível para a pessoa assumir uma posição em relação a essas idéias e práticas de poder e controle e tomar uma ação responsável.

Durante este processo, podem ser identificados resultados únicos nos quais a pessoa em questão esteve menos influenciada pelas ideias e práticas que apóiam a violência, o poder e o controle, e esses resultados únicos podem ser aberturas para histórias alternativas de ações responsáveis ​​de reparação, cuidado e compaixão. Engajar-se com pessoas em conversas sobre desconstruir privilégios e assumir a responsabilidade por questões de violência ou outros atos de dano para os outros envolve certas responsabilidades do terapeuta (quer se esteja envolvido em externalizar conversas ou não). Estes incluem considerações de segurança para as vítimas de violência, poder, responsabilidade (formas de verificar se as pessoas estão seguras), transparência, etc. Não há espaço para entrar neles em qualquer detalhe, mas no final desta peça fornecemos mais leitura em relação a isso.

9) Você tem algumas dicas úteis sobre o uso de conversas de externalização?

Bem, como com qualquer outra coisa, sempre haverão lugares onde perdemos o controle e coisas que precisamos trabalhar para entender completamente! Algumas das confusões mais comuns sobre a externalização surgem quando ela é confundida com ideias de outros modelos psicológicos. Alunos que foram treinados em outras abordagens psicológicas nos disseram que pode levar algum tempo para descobrir como diferentes conversas externalizantes são do tipo de conversas que estamos acostumados. Tentamos esclarecer algumas das mais comuns confusões e fornecer o que esperamos serem dicas úteis!

Às vezes, quando os alunos vêm trabalhando em outros modelos psicológicos ou terapêuticos nos quais estavam acostumados a elaborar um diagnóstico do problema, eles podem ficar tão determinados a encontrar a externalização “certa” e a manter essa externalização “correta” que isso pode interferir nas maneiras pelas quais eles colaboram com a pessoa que veio consultá-los.

– Dica # 1: tente lembrar-se de que não é como um diagnóstico médico, não existe uma externalização “correta” única. Existem necessidades externalizadas para se encaixar na experiência da pessoa que nos consulta, mas isso pode mudar com o tempo.

Às vezes, podemos pensar que, se simplesmente externalizarmos as “coisas ruins”, a bondade “inata” ou “inerente” da pessoa em questão poderá se destacar. Essa ideia vem de uma tradição de pensamento (humanismo) muito diferente das idéias que informam a terapia narrativa (pós-estruturalismo). Em nossa experiência, acreditar que externalizar o problema resultará automaticamente em pessoas sendo de alguma forma magicamente liberadas, é um pouco difícil, porque significa que, como terapeutas, podemos não fazer o trabalho de descrever ricamente as histórias alternativas da vida de uma pessoa.

Dica #2: Tente lembrar que externalizar o problema é apenas o começo. Os próximos passos envolvem a descrição detalhada da história alternativa.

Externalização às vezes é confundida com idéias de outras tradições psicológicas nas quais você pode separar e examinar certos elementos do “eu” antes de reintegrá-los ao “todo”. Mais uma vez, essas idéias vêm de uma tradição de pensamento (humanismo) muito diferente daquela que informa a terapia narrativa (pós-estruturalismo). A terapia narrativa não acredita em um “eu todo” que precisa ser integrado, mas sim que nossas identidades são compostas de muitas histórias, e que essas histórias estão mudando constantemente.

Dica #3: não pretenda reintegrar o que foi externalizado. Em vez disso, tente lembrar-se de que até mesmo as coisas boas podem ser externalizadas e, dessa forma, podemos ajudar a desenvolver histórias ricamente alternativas e preferidas da vida das pessoas.

Alguns modelos de psicologia implicam que há “bem e mal” em tudo e que as pessoas não deveriam querer se libertar inteiramente da influência de qualquer problema. Mas isso pode ser bastante confuso para as pessoas que nos consultam que são muito claras, por exemplo, que prefeririam ficar sem a “voz do ódio” em suas vidas.

Dica #4: Achamos útil lembrar a nós mesmos que nosso papel como terapeuta é verificar com todos os envolvidos, exatamente quais são os efeitos do problema, e o que a pessoa em questão vê como desejável em termos de ação futura.

10) Será que externalizamos as coisas ruins e internalizamos as coisas boas?

Pode ser tentador às vezes apenas internalizar as coisas boas. Quando alguém diz: “Tenho boa auto-estima” e essa pessoa está orgulhosa disso, às vezes é tentador simplesmente deixar isso em paz. Mas, em nossa experiência, externalizar “as coisas boas” significa que elas podem se tornar “mais ricamente descritas”. Por exemplo, se a ‘força’ é externalizada (se não for entendida como algo inato ou interno, mas algo que foi criado), então podemos fazer perguntas para articular as habilidades e conhecimentos específicos que a compõem, esse traço a história dessa “força” e essa exploração que valorizava os outros na vida da pessoa, contribuíram para sua existência. Isso também significa que estamos mais propensos a fazer perguntas sobre as outras coisas que essa “força” representa na vida da pessoa, e o que ela significa. Conversas externalizantes sobre essa força podem indagar sobre os valores e compromissos que estão ligados a essa “força” e às histórias desses valores e compromissos.

Como terapeutas narrativos, acreditamos que é a descrição detalhada das histórias alternativas da vida das pessoas que oferece a elas mais opções de ação e, portanto, permite que mudanças significativas ocorram. A vida não é apenas sobre problemas e dificuldades, ou “pontos fortes”. É também sobre esperanças, sonhos, paixões, princípios, conquistas, habilidades e muito mais. Todos esses aspectos de nossas vidas estão prontos para exploração e rica descrição!

11) O que você acha mais útil em externalizar conversas?

Aqui estão algumas das coisas que nós, como terapeutas, achamos mais úteis sobre externalizar conversas.

– Nas conversas de externalização, não preciso adotar uma posição de especialização em relação aos problemas que as pessoas estão enfrentando. Em vez disso, posso estar realmente curioso sobre como esses problemas operam e juntos podemos explorar novas maneiras de nos relacionarmos com eles.

– É importante ressaltar que a externalização me permite não culpar as pessoas pelos problemas que estão enfrentando e isso é um alívio. Em vez disso, podemos colaborar e explorar os efeitos e táticas desses problemas e encontrar maneiras de reduzir sua influência.

– Para mim, externalizar é tudo sobre poder e política. Muito da psicologia e da terapia permitiu que as questões sociais fossem localizadas apenas dentro dos indivíduos. Através de práticas de externalização, torna-se mais possível para nós rastrear como os problemas foram moldados por relações mais amplas de poder. Isso, por sua vez, pode ajudar as pessoas a separar suas identidades desses problemas. Para mim, trata-se de colocar de volta na cultura e na história o que veio da cultura e da história, e esse é um pequeno ponto do trabalho político .

– Conversas externalizantes me permitem tomar posições diferentes no meu questionamento – às vezes repórter investigativo, às vezes historiador, às vezes detetive. Isto é divertido!

– Compreendo que não estamos falando apenas de indivíduos e suas falhas ou de suas soluções individuais. Em vez disso, estamos falando sobre história e relacionamentos e estamos encontrando audiências para testemunhar as etapas que as pessoas estão realizando.

– Ao trabalhar com homens que são violentos, achei a ênfase em externalizar as conversas na criação de oportunidades para os homens articularem maneiras alternativas de serem pessoas muito úteis. Este trabalho é complexo e requer muito cuidado, mas permitir que os homens assumam a responsabilidade por suas ações e comecem a avançar em direção a formas alternativas não violentas de ser parece realmente importante.

– Externalizar significa que muitas vezes ouço falar sobre os belos relacionamentos na vida das pessoas que os ajudam a superar os efeitos dos problemas. Isso pode ser tão esperançoso. Eu ouço histórias adoráveis ​​e as valorizo. Eu penso neles quando estou em casa.

– Conversas externalizantes me permitem ser parte do processo de pessoas que recuperam suas vidas dos efeitos dos problemas.

Últimas palavras

Bem, isso é tudo por agora. Esperamos que você tenha achado essas perguntas e respostas úteis. Se você tiver outras perguntas importantes, envie-as para nós e talvez possamos compilar uma sequência em algum momento! Obrigado.

Sobre essas perguntas e respostas

Nós compilamos essas respostas para perguntas frequentes sobre externalização em resposta a solicitações regulares. Maggie Carey e Shona Russell, com a ajuda de outras pessoas que trabalhavam no Dulwich Centre Publications, geraram as perguntas e as enviaram para uma variedade de profissionais. Várias conversas também foram realizadas aqui no Dulwich Center. As respostas foram combinadas e um documento preliminar foi então amplamente divulgado para posterior discussão e aperfeiçoamento.

Gostaríamos de agradecer às seguintes pessoas que estiveram envolvidas na geração desta peça: Gene Combs, Jane Speedy, Stephen Madigan, Yvonne Sliep, Michael White, Carolyn Markey, Mark Hayward, Amanda Redstone, Patrick O’Leary, Jill Freedman , Jeff Zimmerman, Sue Mann, Iain Lupton, Dean Lobovits e Mary Pekin.

Gostaríamos de reconhecer especialmente o papel que David Denborough desempenhou ao reunir as contribuições.

Notas

1. “Externalização” foi introduzido pela primeira vez no campo por Michael White e desde então tem sido envolvido e desenvolvido por uma ampla gama de profissionais.

2. Uma personificação para pessoas idosas é descrita mais adiante neste documento em relação ao Sr. / Sra. Aids, que é uma externalização que tem sido usada em projetos comunitários no Malauí, na África.

3. Para mais informações sobre este trabalho no Malawi, consulte Sliep & CARE Counselors (1998), ou escreva para Yvonne Sliep, no email [email protected]

4. Para ler mais sobre essas outras práticas narrativas, pesquise por Morgan (2000).

5. Para mais informações sobre a maneira diferente de pensar que a externalização está associada, pesquise por Thomas (2002).

6. Quando se trata de atos de violência, esse “check-out” requer cuidados e processos de responsabilização, em que as vozes e opiniões das pessoas mais afetadas pela violência são privilegiadas.

Outras leituras sobre externalização (lista de publicações com títulos originais em inglês)

Companions on a Journey: an exploration of an alternative community mental health project 1997: Dulwich Centre Newsletter No.1. Republished in White, C. & Denborough, D. 1998: Introducing narrative therapy: A collection of practice-based writings. Adelaide, South Australia: Dulwich Centre Publications. Morgan, A. 2000: What is narrative therapy?: An easy-to-read introduction. Adelaide, South Australia: Dulwich Centre Publications Epston, D. 1998: Catching up with David Epston: A collection of narrative practice-based papers. Adelaide, South Australia: Dulwich Centre Publications. Freeman, J., Epston, D. & Lobovits, D. 1997: Playful approaches to serious problems: Narrative therapy with children and their families. New York. W.W. Norton. Freedman, J. & Combs, G. 1996: Narrative therapy: The social construction of preferred realities. New York. W.W. Norton. Payne, M. 2000: Narrative therapy: An introduction for counsellors. London: SAGE Publications. Sliep, Y. & CARE Counsellors, 1996: ‘Pang’ono pang’ono ndi mtolo – Little by little we make a bundle.’ Dulwich Centre Newsletter, No.3. Republished in White C. & Denborough D 1998: Introducing Narrative Therapy: A collection of practice-based writings. Adelaide, South Australia: Dulwich Centre Publications. Thomas, L. 2002: ‘Poststructuralism and therapy – what’s it all about?’ International Journal of Narrative Therapy and Community Work, No.2. White, M. & Epston, D. 1990: Narrative means to therapeutic ends. New York: W.W.Norton. Further reading in relation to working with men who use violence: McLean, C., Carey, M. & White, C. (eds) 1996: Men’s ways of being. Boulder, Colorado: Westview Press. Jenkins, A. 1990: Invitations to responsibility: The therapeutic engagement of men who are violent and abusive. Adelaide, South Australia: Dulwich Centre Publications. Jenkins, A., Joy, M. & Hall, R. 2002: ‘Forgiveness and child sexual abuse: A matrix of meanings.’ International Journal of Narrative Therapy and Community Work, No
1. Slattery, G. 2000: Working with young men: Taking a stand against sexual abuse and sexual harassment. Dulwich Centre Journal, Nos. 1& 2. White, M. 1995: ‘A conversation about accountability.’ In White, M. Re-authoring lives: Interviews and essays. Adelaide, South Australia: Dulwich Centre Publications.

Copyright © 2002 Dulwich Centre Publications

Compre este livro em inglês em: The Narrative Therapy Library and Bookshop

Clique aqui para ver mais livros publicados pelo Dulwich Centre Publications

× Como posso te ajudar?