A Terapia Narrativa pretende ser uma abordagem respeitosa e sem julgamento de aconselhamento e trabalho comunitário, que centra a pessoa como especialista das suas próprias vidas. Ela vê os problemas separados das pessoas e percebe que elas têm muitas habilidades, competências, crenças, valores, comprometimentos e habilidades que vão ajuda-las a reduzirem a influência do problema nas suas vidas.
Nós incluímos aqui um pedaço do influente e popular do texto de Alice Morgan, “O que é terapia narrativa? Uma fácil introdução”.  Recomendamos fortemente esse livro para qualquer pessoa que deseja ampliar as ideias narrativas no seu próprio contexto de trabalho.

Introdução
Há muitos temas em torno do que ficou conhecido como Terapia Narrativa e em torno dos terapeuta se engajam nessas ideias. Quando você ouve alguém se referindo a Terapia Narrativa, ele pode estar se referindo a formas particulares de entender as identidades das pessoas. Alternativamente, podem estar se referindo a certas formas de entender os problemas e seus efeitos na vida das pessoas. Eles também podem estar falando sobre maneiras particulares de conversar com as pessoas sobre suas vidas e problemas que possam estar vivenciando, ou formas particulares de entender as relações terapêuticas e a ética ou política da terapia.
A terapia narrativa procura ser uma abordagem respeitosa e de não julgamento, ligada ao aconselhamento e ao trabalho comunitário, que centra as pessoas como especialistas de suas próprias vidas. Este tipo de terapia encara os problemas como separados das pessoas e assume que elas têm muitas habilidades, competências, crenças, valores, compromissos e habilidades que os ajudarão a reduzir a influência dos problemas em suas vidas.
Existem vários princípios que comunicam formas narrativas de trabalhar, mas, na minha opinião, dois são particularmente significativos: manter sempre uma postura de curiosidade e sempre fazer perguntas para as quais você genuinamente não conhece as respostas. Eu convido você a ler este livro com esses dois princípios em mente. Eles informam as ideias, a postura, o tom, os valores, os compromissos e as crenças da terapia narrativa.
Possibilidades de conversas
Quando me encontro com as pessoas que me consultam, às vezes penso nas possibilidades de direções da conversa como se fossem estradas em uma jornada. Há muitos cruzamentos, interseções, caminhos e pistas para escolher. A cada passo, emerge um novo e diferente cruzamento ou interseção – frente, trás, direita, esquerda, diagonal, em diferentes graus. A cada passo que dou com a pessoa me consultando, estamos abrindo mais direções possíveis. Podemos escolher para onde ir e o que deixar para trás. Podemos sempre seguir um caminho diferente, refazer nossos passos, voltar, repetir uma pista ou permanecer na mesma estrada por algum tempo. No início da jornada, não temos certeza de onde terminará nem o que será descoberto.
As possibilidades descritas neste livro são como as estradas, trilhas e caminhos da jornada. Cada pergunta que um terapeuta narrativo faz é um passo em uma jornada. Todos os caminhos podem ser percorridos, além de poder percorrer um caminho por um tempo, antes de mudar para outro. Não há um caminho “certo” a seguir – apenas muitas direções possíveis para escolher.
Colaboração 
É importante ressaltar que a pessoa que consulta o terapeuta desempenha um papel significativo no mapeamento da direção da jornada. As conversas narrativas são interativas e sempre em colaboração com as pessoas que consultam o terapeuta. O terapeuta procura entender o que é de interesse para as pessoas que os consultam e como a jornada está se adequando às suas preferências. Você freqüentemente ouvirá, por exemplo, um terapeuta narrativo perguntando:
  • Como esta conversa está indo para você?
  • Devemos continuar falando sobre isso ou você estaria mais interessado em …?
  • Isso é interessante para você? É com isso que devemos gastar nosso tempo falando?
  • Eu queria saber se você estaria mais interessado em me perguntar mais sobre isso ou se devemos nos concentrar em X, Y ou Z? [X, Y, Z sendo outras opções].
Desta forma, as conversas narrativas são guiadas e dirigidas pelos interesses daqueles que estão consultando o terapeuta.
Resumo
Então, antes de mergulharmos nessa exploração das formas narrativas de trabalhar, vamos resumir rapidamente o que consideramos até agora:
  • A terapia narrativa procura ser uma abordagem respeitosa e não julgadora ao aconselhamento e ao trabalho comunitário, que centra as pessoas como especialistas em suas próprias vidas.
  • Encara os problemas como separados das pessoas e assume que as pessoas têm muitas habilidades, competências, crenças, valores, compromissos e habilidades que os ajudarão a mudar sua relação com os problemas de suas vidas.
  • A curiosidade e a disposição de fazer perguntas para as quais realmente não sabemos as respostas são princípios importantes desse trabalho.
  • Existem muitas direções possíveis para quais as conversa podem levar (não há uma direção correta única).
  • A pessoa que consulta o terapeuta desempenha um papel importante na determinação das instruções que são tomadas.
Parece apropriado começar qualquer exploração da terapia narrativa com uma consideração do que se entende por “narrativas” ou “histórias” de nossas vidas.
Capítulo 1: Entendendo e vivendo nossas vidas através de histórias
Às vezes, a Terapia Narrativa é conhecida como sendo conversas de “re-autoria” ou “re-contar de histórias”. No modo como essas descrições sugerem, as histórias são centrais para a compreensão das formas narrativas de trabalhar.
A palavra “história” tem associações e entendimentos diferentes para pessoas diferentes. Para os terapeutas narrativos, as histórias consistem em:
  • eventos
  • ligados em sequência
  • através do tempo
  • de acordo com um enredo
Somos seres humanos, interpretando outros seres humanos. Todos nós temos experiências diárias de eventos que buscamos tornar significativos. As histórias que temos sobre nossas vidas são criadas por meio da vinculação de determinados eventos em uma sequência específica ao longo de um período de tempo e da descoberta de uma maneira de explicá-los ou compreendê-los. Esse significado forma o enredo da história. Damos significados às nossas experiências constantemente enquanto vivemos nossas vidas. Uma narrativa é como um fio que tece os eventos, formando uma história.
Todos nós temos muitas histórias sobre nossas vidas e relacionamentos, ocorrendo simultaneamente. Por exemplo, temos histórias sobre nós mesmos, nossas habilidades, nossas lutas, nossas competências, nossas ações, nossos desejos, nossos relacionamentos, nosso trabalho, nossos interesses, nossas conquistas, nossos fracassos. A forma como desenvolvemos essas histórias é determinada pela maneira como vinculamos certos eventos em uma sequência e pelo significado que atribuímos a eles.
Um exemplo: a história da minha forma de dirigir
Eu poderia ter uma história sobre mim mesma como uma “boa motorista”. Isso significa que eu poderia reunir vários eventos que aconteceram comigo enquanto dirigia meu carro. Eu poderia colocar esses eventos juntos com os outros em uma seqüência particular e interpretá-los como uma demonstração de eu ser uma boa piloto. Eu poderia pensar e selecionar a história, eventos como parar nos semáforos, dar passagem aos pedestres, obedecer aos limites de velocidade, não incorrer em multas e manter uma distância segura atrás de outros veículos. Para formar essa história sobre minha habilidade como motorista, estou selecionando certos eventos como importantes que se encaixam nesse enredo em particular. Ao fazer isso, esses eventos são privilegiados em detrimento de outros.
À medida que mais e mais eventos são selecionados e reunidos no enredo dominante, a história ganha riqueza e espessura. À medida que ganha espessura, outros eventos da minha competência de dirigir são facilmente lembrados e adicionados à história. Ao longo deste processo, a história se torna mais dominante em minha vida e é cada vez mais fácil para mim encontrar mais exemplos de eventos que se encaixem com o significado que alcancei.
Esses eventos da competência de dirigir que estou lembrando e selecionando são elevados em sua importância em relação a outros eventos que não se encaixam no enredo de ser um bom motorista. Por exemplo, as vezes em que saí rapidamente do meio-fio ou julgava mal as distâncias quando estacionava meu carro não estavam sendo privilegiadas. Eles podem ser vistos como insignificantes ou talvez como um acaso à luz do enredo dominante (uma história de competência como motorista). Na recontagem de histórias, sempre há eventos que não são selecionados, com base de se eles se encaixam ou não nos enredos dominantes.
O diagrama da próxima página [esta figura não pode ser representada aqui nesta página da Web, mas está incluída no livro] demonstra a ideia de histórias que consistem em eventos ligados em sequência ao longo do tempo, de acordo com o enredo. As marcas X são todos os eventos que ocorreram na minha vida como motorista. Os eventos que se encaixam na história da “habilidade de dirigir” estão espalhados entre os eventos que estão fora dessa história (por exemplo, um acidente de carro que ocorreu há quatro meses). Para criar uma história de habilidade de dirigir, determinados eventos são selecionados e privilegiados em relação a outros eventos. Uma vez privilegiados, eles estão ligados a outros eventos e, em seguida, ainda mais eventos ao longo do tempo, para formar uma história sobre ser um bom motorista. A linha no diagrama mostra essa ligação de eventos para formar a história dominante. Como você pode ver, há outros eventos (X) que estão fora dessa história dominante que permanecem ocultos ou menos significativos à luz da trama dominante.
Neste exemplo, talvez porque eu possa falar apenas sobre os bons eventos e conseguir construir uma história de ser uma motorista competente, tudo depende das reflexões de outros. Se meus familiares e amigos sempre me descreveram como uma boa motorista, isso teria feito uma diferença significativa. As histórias nunca são produzidas isoladamente do mundo mais amplo. Talvez, neste exemplo, eu nunca tenha sido submetido a observações decrescentes com base no meu gênero. Quem sabe?
Os efeitos das histórias dominantes
A história dominante de minhas habilidades de condução não só me afetará no presente, mas também terá implicações para minhas ações futuras. Por exemplo, se me pedem para dirigir para um novo bairro ou dirigir uma longa distância à noite, minha decisão e meus planos serão influenciados pela história dominante que tenho sobre minha direção. Eu provavelmente estaria mais inclinado a considerar fazer essas coisas quando influenciado pela história que tenho sobre mim como sendo um bom piloto do que se eu tivesse uma história sobre mim mesmo como sendo um motorista perigoso ou propenso a acidentes. Portanto, os significados que eu dou a esses eventos não são neutros em seus efeitos em minha vida – eles irão constituir e moldar minha vida no futuro. Todas as histórias moldam nossas vidas.
Vivendo muitas histórias de uma só vez
Nossas vidas são multi-estoriadas. Existem muitas histórias que ocorrem ao mesmo tempo e diferentes histórias podem ser contadas sobre os mesmos eventos. Nenhuma história isolada pode ser livre de ambigüidade ou contradição e nenhuma história isolada pode encapsular ou lidar com todas as contingências da vida.
Se eu tivesse um acidente de carro, ou se alguém em minha vida começasse a me concentrar em cada pequeno erro que cometi enquanto dirigia, ou se uma nova lei fosse introduzida que discriminasse de alguma forma pessoas como eu, uma história alternativa sobre minha direção pode começar a se desenvolver. Outros eventos, interpretações de outras pessoas sobre esses eventos e minhas próprias interpretações podem levar a uma história alternativa sobre a minha condução – uma história de incompetência ou descuido. Essa história alternativa também teria efeitos. Por um tempo, eu poderia viver com histórias diferentes sobre a minha condução, dependendo do contexto ou do público. Com o tempo, dependendo de vários fatores, a história negativa sobre minha direção pode ganhar influência e até se tornar a história dominante em minha vida em relação à minha direção. Nem a história da minha capacidade de dirigir nem a história do meu fracasso de dirigir estaria livre de ambiguidade ou contradição.
Diferentes tipos de histórias
Existem muitos tipos diferentes de histórias pelas quais vivemos nossas vidas e relacionamentos – incluindo histórias sobre o passado, presente e futuro. As histórias também podem pertencer a indivíduos e / ou comunidades. Pode haver histórias de família e histórias de relacionamento.
Um indivíduo pode ter uma história sobre si mesmo como sendo bem sucedido e competente. Alternativamente, eles podem ter uma história sobre si mesmos como sendo “um fracasso em tentar coisas novas” ou “um covarde” ou como “falta de determinação”. As famílias podem ter histórias sobre si mesmas como sendo “cuidadosas” ou “barulhentas” ou “arriscadas” ou “disfuncionais” ou “próximas”. Uma comunidade pode ter uma história sobre si mesma como “isolada” ou “politicamente ativa” ou “financeiramente forte”. Todas essas histórias podem estar ocorrendo ao mesmo tempo, e os eventos, à medida que ocorrem, serão interpretados de acordo com o significado (enredo) que é dominante naquele momento. Desta forma, o ato de viver exige que nos envolvamos na mediação entre as histórias dominantes e as histórias alternativas de nossas vidas. Estamos sempre negociando e interpretando nossas experiências.
O contexto social mais amplo das histórias pelas quais vivemos nossas vidas
As maneiras pelas quais entendemos nossas vidas são influenciadas pelas histórias mais amplas da cultura em que vivemos. Algumas das histórias que temos sobre nossas vidas terão efeitos positivos e outras terão efeitos negativos sobre a vida no passado, presente e futuro. Laura pode se descrever como uma terapeuta habilidosa. Ela desenvolveu essa história sobre si mesma a partir de suas experiências e feedback de seu trabalho. Todas essas experiências contribuíram para moldar uma história sobre si mesma como uma terapeuta competente, cuidadosa e habilidosa. Quando se depara com a decisão de se candidatar a um novo emprego em um campo que é menos familiar para ela, Laura é mais propensa a agir ou pensar em agir sob a influência dessa auto-narrativa positiva. Eu suspeito que ela experimentaria os desafios em seu trabalho com alguma confiança e poderia falar sobre seu trabalho de uma maneira que o descrevesse como enriquecedor.
Os significados que damos a esses eventos que ocorre em uma sequência ao longo do tempo não ocorrem no vácuo. Há sempre um contexto em que as histórias de nossas vidas são formadas. Este contexto contribui para as interpretações e significados que damos aos eventos. O contexto de gênero, classe, raça, cultura e identidade sexual são poderosos contribuintes para o enredo das histórias pelas quais vivemos. A história de Laura sobre si mesma como uma terapeuta competente, por exemplo, teria sido influenciada pelas ideias da cultura em que ela vive. Essa cultura teria crenças particulares sobre o que constitui “habilidades” como terapeuta e a história de Laura seria moldada por essas crenças.
A experiência da classe trabalhadora de Laura pode ter contribuído significativamente para a maneira como ela acha fácil estabelecer conexões com pessoas que vêm consultá-la de diversas origens. Sua confiança em falar em situações de trabalho pode ter muito a ver com sua história dentro do movimento feminista e também o fato de que, como ela é uma profissional australiana branca, é provável que as pessoas escutem o que ela está dizendo.
Dessa forma, as crenças, ideias e práticas da cultura em que vivemos desempenham um papel importante nos significados que fazemos de nossas vidas.
Resumo
Como tentei explicar, os terapeutas narrativos pensam nos termos das histórias – histórias dominantes e histórias alternativas; enredos dominantes e enredos alternativas; eventos sendo interligados ao longo do tempo que têm implicações para ações passadas, presentes e futuras; histórias que estão moldando poderosamente as vidas. Os terapeutas narrativos estão interessados em unir-se a pessoas para explorar as histórias que eles têm sobre suas vidas e relacionamentos, seus efeitos, seus significados e o contexto em que foram formados e criados.
Capítulo 2: Histórias no contexto terapêutico
Vamos pensar em algumas das histórias que são trazidas para o contexto da terapia. Mais comumente, quando as pessoas decidem consultar um terapeuta é porque estão passando por dificuldades ou problemas em suas vidas. Quando se encontram com um terapeuta, eles frequentemente começam contando ao terapeuta sobre muitos eventos na vida do problema para o qual eles estão buscando ajuda. Comumente, eles também explicarão os significados que deram a esses eventos.
A família Craxton procurou minha ajuda quando um dos membros da família, Sean, foi pego roubando. Como eu ouvi sobre o problema de roubar, os pais de Sean explicaram:
Estamos realmente preocupados com Sean porque ele está roubando e tentamos detê-lo, mas ele simplesmente não para. Ele sempre foi uma criança problemática, desde quando era pequeno. Ele não recebeu muita atenção quando era pequeno porque Anne [sua mãe] estava doente. Desde então, ele sempre fica em apuros na escola. Ele não consegue se conter e está sempre brigando com seus irmãos. Agora ele está roubando para que as pessoas o notem.
Dentro dessa história, o roubo de Sean foi interpretado como significando que ele estava “buscando atenção”. Esse significado particular (ou enredo dominante) ocorreu através de uma reunião de muitos outros eventos no passado que se encaixavam nessa interpretação. À medida que Sean foi sendo visto cada vez mais de acordo com essa história, mais e mais eventos que apoiavam a história da “busca de atenção” começaram a ser selecionados, e a história foi contada e recontada. À medida que mais eventos foram adicionados a essa trama, a história de Sean como um “buscador de atenção” se tornou mais forte.
Para contar essa história em particular, certos eventos do presente e do passado foram selecionados e explicados para se ajustarem aos significados que seus pais tinham chegado. Ao fazer isso, certos eventos foram selecionados e privilegiados para serem contados, pois foram interpretados de acordo com o enredo de “busca de atenção”. Portanto, outros eventos (que não se encaixam com Sean como buscando atenção) permaneceram não contados e não reconhecidos. As exceções a essa história de “busca de atenção” ou momentos que podem não se encaixar na história da “busca de atenção” tornaram-se menos visíveis. Assim também, os entendimentos culturais mais amplos das ações de Sean se tornam obscuros – incluindo o fato de que roubar é um ato comum entre os jovens de classe de Sean em sua vizinhança. Todas as complexidades e contradições da vida de Sean foram simplificadas no entendimento de que Sean era um “buscador de atenção”.
Descrição estreita
No início de suas reuniões com as pessoas, os terapeutas freqüentemente ouvem histórias, como a mencionada acima, sobre o problema e os significados que foram alcançados sobre eles. Esses significados, alcançados em face da adversidade, consistem freqüentemente no que os terapeutas narrativos chamam de “descrição fina”.
A descrição fina permite pouco espaço para as complexidades e contradições da vida. Permite pouco espaço para as pessoas articularem seus próprios significados particulares de suas ações e o contexto em que elas ocorreram. Por exemplo, na história acima, a descrição do comportamento de Sean como “busca de atenção” era uma descrição delicada. Foi gerado por outros (como é frequentemente o caso com descrições finas) e deixou pouco espaço para o movimento.
Essa fina descrição das ações de Sean (busca de atenção) obscurece muitos outros significados possíveis. Pelo que sabemos, a última coisa que Sean queria era que seu roubo recebesse atenção! Talvez essas ações tivessem mais a ver com o fato de pertencer a seus pares, adquirir algo para sua irmã, enfrentar o bullying dos outros ou estabelecer-se como líder em um bairro onde a liderança de um jovem significava estar em encrenca. Uma fina descrição da “busca de atenção” tem o potencial de deixar Sean isolado e desconectado de seus pais e colegas, enquanto descrições alternativas podem abrir outras possibilidades.
Muitas vezes, descrições finas das ações / identidades das pessoas são criadas por outras pessoas – aquelas com o poder de definição em circunstâncias específicas (por exemplo, pais e professores na vida das crianças, profissionais de saúde na vida daqueles que as consultam). Mas às vezes as pessoas passam a entender suas próprias ações através de descrições finas. Em qualquer contexto, descrições finas são criadas, elas geralmente têm consequências significativas.
Conclusões estreitas e seus efeitos
A descrição minuciosa muitas vezes leva a conclusões finas sobre as identidades das pessoas, e elas têm muitos efeitos negativos. Por exemplo, como as ações de Sean foram pouco descritas como “busca de atenção”, ele rapidamente passou a ser visto como “um candidato a atenção”. Essa fina conclusão sobre Sean como pessoa estava tendo efeitos negativos, não apenas em relação à experiência de Sean sobre si mesmo, mas também sobre as relações entre Sean e seus pais.
Conclusões finas são frequentemente expressas como uma verdade sobre a pessoa que está lutando com o problema e sua identidade. A pessoa com o problema pode ser entendida como “ruim”, “sem esperança” ou “encrenqueira”. Essas conclusões finas, extraídas de histórias saturadas de problemas, enfraquecem as pessoas, pois são regularmente baseadas em fraquezas, deficiências, disfunções ou inadequações. Lembro-me de muitas dessas conclusões finas que as pessoas que me consultaram foram convidadas para: “É porque sou uma pessoa ruim” ou “Somos uma família disfuncional”.
Às vezes, essas conclusões finas obscurecem relações mais amplas de poder. Por exemplo, se uma mulher se vê como ‘sem valor’ e ‘merecedor de punição’ depois de anos sendo abusada, essas conclusões finas tornam invisível a injustiça que ela experimentou. Eles escondem as táticas de poder e controle a que ela foi submetida, bem como seus atos significativos de resistência.
Uma vez que conclusões finas se estabelecem, torna-se muito fácil para as pessoas se engajarem na coleta de evidências para apoiar essas histórias dominantes e saturadas de problemas. A influência dessas histórias problemáticas pode então tornar-se cada vez maior. No processo, qualquer momento em que a pessoa tenha escapado dos efeitos do problema, quando não foi “ruim”, “sem esperança” ou “criador de problemas”, fica menos visível. À medida que a história do problema se torna maior e maior, ela se torna mais poderosa e afeta os eventos futuros. Conclusões sutis geralmente levam a conclusões mais sutis à medida que as habilidades, os conhecimentos, as habilidades e as competências das pessoas se tornam ocultas pela história do problema.
Histórias alternativas
Terapeutas narrativos, quando inicialmente confrontados com conclusões finas e histórias de problemas aparentemente esmagadoras, estão interessados em conversas que buscam histórias alternativas – não apenas quaisquer histórias alternativas, mas histórias que são identificadas pela pessoa que procura aconselhamento como histórias pelas quais gostariam de viver a vida deles. O terapeuta está interessado em procurar e criar, em conversas, histórias de identidade que ajudem as pessoas a romper com a influência dos problemas que estão enfrentando.
Assim como várias descrições e conclusões finas podem apoiar e sustentar problemas, histórias alternativas podem reduzir a influência de problemas e criar novas possibilidades de vida.
Para Sean, por exemplo, uma exploração das histórias alternativas de sua vida pode criar espaço para mudanças. Estas não seriam histórias de ser um candidato a atenção ou um filho problemático. Em vez disso, eles podem consistir em histórias de determinação ao longo de sua história, ou histórias de como ele superou os problemas em épocas anteriores de sua vida, ou maneiras pelas quais ele dá atenção e procura-o. Todas estas podem ser histórias alternativas da vida de Sean. Ou, histórias alternativas podem ser encontradas em outros reinos inteiramente – reinos de amigos imaginários, histórias de conexão com sua mãe ou pai, ou dentro de conhecimentos especiais que Sean pode possuir através de seu relacionamento com seu amado cão de estimação Rusty. Em qualquer um desses territórios da vida, por meio de conversas terapêuticas, podem ser encontradas histórias alternativas que possam ajudar a resolver os problemas com os quais Sean atualmente está lutando. As maneiras pelas quais os terapeutas e aqueles que as consultam podem co-criar histórias alternativas serão descritas nos capítulos seguintes.
Com essas idéias sobre histórias que informam seu trabalho, a questão-chave para os terapeutas narrativos é: como podemos ajudar as pessoas a romper com conclusões finas e a serem autoras de novas e preferidas histórias para suas vidas e relacionamentos?
Como Jill Freedman e Gene Combs descrevem:
Os terapeutas narrativos estão interessados em trabalhar com as pessoas para produzir e aumentar as histórias que não sustentam ou sustentam problemas. Conforme as pessoas começam a habitar e a viver as histórias alternativas, os resultados estão além da solução de problemas. Dentro das novas histórias, as pessoas vivem novas auto-imagens, novas possibilidades de relacionamentos e novos futuros. (1996, p.16)
Para uma descrição rica e densa
Para se libertar da influência de histórias problemáticas, não basta simplesmente recriar uma história alternativa. Os terapeutas narrativos estão interessados em encontrar maneiras pelas quais essas histórias alternativas possam ser “ricamente descritas”. O oposto de uma “fina conclusão” é entendido pelos terapeutas narrativos como uma “rica descrição” de vidas e relacionamentos.
Muitas coisas diferentes podem contribuir para que as histórias alternativas sejam “ricamente descritas” – e não menos importante, sendo que elas são geradas pela pessoa cuja vida está sendo discutida. A rica descrição envolve a articulação em detalhes das linhas da história da vida de uma pessoa. Se você imagina ler um romance, às vezes uma história é ricamente descrita – os motivos dos personagens, suas histórias e entendimentos próprios são bem articulados. As histórias das vidas dos personagens estão entrelaçadas com as histórias de outras pessoas e eventos. Da mesma forma, os terapeutas narrativos estão interessados em encontrar maneiras de as histórias alternativas da vida das pessoas serem ricamente descritas e entrelaçadas com as histórias dos outros.
As maneiras pelas quais as histórias alternativas são co-autoras, como são contadas e para quem, são todas considerações relevantes para os terapeutas narrativos. Nas páginas seguintes, as formas de co-autoria de conversas que envolvem as pessoas na “rica descrição” de suas vidas e relacionamentos serão mais exploradas.
Leitura adicional
O que é terapia narrativa? Uma introdução fácil de ler de Alice Morgan
O livro  Retelling the stories of our lives: Everyday narrative therapy to draw inspiration and transform experience de David Denborough, que foi escrito para introduzir idéias narrativas ao público em geral.
Outros textos-chave que introduzem a metáfora narrativa são:
Freedman, J. & Combs, G. 1996:
‘Shifting paradigms: From systems to stories.’ In Freedman, J. & Combs, G., Narrative therapy: The social construction of preferred realities, chapter 1. New York: Norton.
Epston, D. & White, M. 1990:
‘Story, knowledge, power.’ In Epston, D. & White, M., Narrative means to therapeutic ends, chapter 1. New York: Norton.
White, M. 1997:
‘The culture of professional disciplines.’ In White, M., Narratives of therapists’ lives, chapter 1. Adelaide: Dulwich Centre Publications.
× Como posso te ajudar?